Translate

sexta-feira, 27 de junho de 2014

DEUS INTERVÉM NOS NEGÓCIOS HUMANOS - Orando A Palavra - Valnice Milhomens

Seja bendito o Teu nome, ó Deus, de eternidade a eternidade, porque Tua é a sabedoria e o poder; Tu mudas o tempo e as estações, removes reis e estabeleces reis; dás sabedoria aos sábios e entendimento aos entendidos. Revelas o profundo e o escondido; conheces o que está em trevas, e contigo mora a luz.
Eu te glorifico, ó Altíssimo, e louvo e glorifico ao que vive para sempre, cujo domínio é sempiterno, e cujo reino é de geração em geração. Todos os moradores da terra são por Ti reputados em nada; e segundo a Tua vontade operas com o exército do céu e os moradores da Terra; não há quem possa deter a mão e dizer-Te: “Que fazes?”
(Daniel 2:20-22; 4:34b,35)
Porque pela graça somos salvos, por meio da fé; e isto não vem de nós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura Tua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Tu, ó Deus, de antemão preparaste para que andássemos nelas.
(Efésios 2:8-10)
Mostra as maravilhas da Tua bondade, ó Salvador dos que à Tua destra buscam refúgio, dos que se levantam contra eles. Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me, à sombra das Tuas asas, dos perversos que me oprimem, inimigos que me assediam de morte.
(Salmo 17:7-9)
Yahweh, além de Ti não há quem possa socorrer numa batalha entre o poderoso e o fraco; ajuda-me, pois, Yahweh meu Deus, porque em Ti confio, e no Teu nome viemos contra esta multidão, Yahweh, Tu és nosso Deus, não prevaleça contra Ti o homem.
(2 Crônicas 14:11)
Ah! Yahweh Deus de nossos pais, porventura não és Tu Deus nos Céus? Não és Tu que dominas sobre todos os reinos dos povos? Na Tua mão está a força e o poder, e não há quem Te possa resistir.
(2 Crônicas 20:6)
Estas coisas diz o santo, o Verdadeiro, Aquele que tem a chave de Davi, que abre e ninguém fechará, e que fecha e ninguém abre: Conheço as tuas obras – eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, a qual ninguém pode fechar – que tens pouca força, entretanto guardaste a minha Palavra, e não negaste o Meu Nome.
(Apocalipse 3:7-8)
Tema a Yahweh toda a Terra, temam-nO todos os habitantes do mundo. Pois Ele falou, e tudo se fez; Ele ordenou, e tudo passou a existir. Yahweh frustra os desígnios das nações e anula os intentos dos povos. O conselho de Yahweh dura para sempre, os desígnios do seu coração por todas as gerações. Feliz a nação cujo Deus é Yahweh, e o povo que Ele escolheu para Sua herança.
(Salmo 33-8-12)


Graça e paz,
Pra. Angela Caldas.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Orando A Palavra

PREFÁCIO

Orando a Palavra, desde sua primeira edição em 1993, tornou-se um livro de cabeceira para dezenas de milhares daqueles que podem fazer coro com o Salmista: “Quanto amo a Tua Lei! É a minha meditação todo o dia”. (Salmo 119:97).
Após vinte impressões do texto original, apresentamos agora uma segunda edição, revisada, ampliada e com algumas modificações. A principal delas é o uso do nome do nosso Deus. Temos feito uma proclamação milhares de vezes em diversas cidades e nações da terra acerca do Seu nome:
O seu nome permanecerá eternamente; o Seu nome se irá propagando de pais a filhos, enquanto o sol durar, e os homens serão abençoados nele; todas as nações lhe chamarão bem-aventurado. Bendito seja Yahweh Deus, o Deus de Israel, que só Ele faz maravilhas. Bendito seja para sempre, o Seu nome glorioso; e encha-se toda a terra da sua glória. Amém e amém (Salmo 72:17-19).
Demo-nos conta de que precisamos corrigir um erro muito sério. Eliminamos o nome do nosso Deus, não só dos nossos lábios, mas da própria Bíblia. Trocamos Seu Nome bendito por um título: SENHOR. Sim, de fato Ele é SENHOR. Todavia o nome de alguém representa a totalidade do seu ser, enquanto um título apenas a função que ele descreve. Conscientes da falha, decidimos restaurar o uso do Nome glorioso do nosso Criador, por Ele mesmo revelado, para que seja “propagado de pais a filhos”. Queremos restaurá-lo na leitura e proclamação da Sua Palavra. Por esse motivo, a presente edição troca o título SENHOR para o legítimo nome, YHWH (Yahweh), conforme no original das Escrituras Sagradas, pois “todo aquele que invocar o nome de Yahweh será salvo” (Joel 2:32).
Convictos de que a Palavra de Deus está carregada da vida do Seu próprio autor e produz exatamente o que ela diz, este livro é inteiramente centrado em orações extraídas do texto sagrado. Trata-se de uma ferramenta que visa disciplinar as nossas orações a fim de que sejam fundamentadas nas promessas e princípios da revelação Divina. Ora, nossa fé é baseada na fidelidade de Deus e de Sua Palavra. Ela expressa o que Ele é e o que deseja. Portanto, Ele sempre a honrará. Quem ora a Palavra, já começa com a resposta, pelo que desenvolver esse hábito é entrar no caminho das orações respondidas e de uma comunhão mais profunda com o seu Autor.
O livro que você tem nas mãos foi preparado com muita oração e amor, como um auxílio para a devocional. Nele estão contidos diversos tipos de oração, seguindo os princípios estudados no livro 2, Tipos de Oração, da série Escola de Oração, que visa o treinamento dos Guerreiros de Oração numa vida de vitória na área da comunicação com Deus.
Louvamos a Deus por poder apresentar-lhe Orando a Palavra, crendo que você desenvolverá o hábito salutar de usar a Palavra de Deus como fonte de suas orações e arma de combate contra as trevas.
As orações aqui apresentadas são apenas um modelo, como forma de disciplinar a linguagem de nossas orações, que devem ser inteiramente baseadas na Palavra de Deus. Elas enfocam somente alguns assuntos. Certamente você encontrará necessidade de fazer outras orações, abordando outros aspectos da vida cristã e, para tanto, encontrará outras promessas, mandamentos e princípios bíblicos que poderão nortear tais orações.
Com um coração grato ao Pai pelo tesouro da Sua Palavra em nossas mãos, em nossa boca e em nosso coração, oramos para que o conteúdo deste livro continue a abençoar incontáveis, aproximando-os da fonte da revelação Divina. E a Ele toda honra glória, ações de graça, louvor e adoração!

Valnice Milhomens 

INTRODUÇÃO

Lâmpada para os meus pés e a tua Palavra e luz para os meus caminhos.
(Salmo 119:105)
Assim como a Constituição de um País é o norteador para todas as suas Leis; como o Código Penal apresenta os parâmetros para todas as acusações ou absolvições, a Bíblia, que é a Palavra de Deus, é a Constituição do Reino de Yahweh, nosso manual e fonte de oração. O Senhor mesmo declara por boca do profeta Isaías: Porque, assim como descem a chuva e a neve dos Céus, e para lá não tornam, sem que primeiro reguem a Terra e a fecundem e a façam brotar, para dar semente ao semeador e pão ao que come, assim será a Palavra que sair da minha boca; não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a designei (Isaías 55:10,11).
Deus quer dizer: “A Palavra que sai da minha boca, antes de retornar para Mim, produzirá o que ela disse”. Coloque em seu espírito este princípio: A Palavra de Deus produz exatamente o que ela diz. Logo, quando a oramos, já começamos com a resposta. Analisando as orações registradas na Bíblia, vemos que a Palavra é invocada, a promessa é lembrada. Quem ora assim está dizendo: “Escrito está... é isto mesmo, Senhor. Concordo, creio, reivindico, suplico, aproprio-me”.
O que Deus quer dizer com “a Palavra não voltará para Mim vazia”? Suponhamos que você esteja numa situação em que é perseguido. Ora, a promessa declara: “Não prosperará nenhuma arma forjada contra ti” (Isaías 54:17). A promessa vem do Trono para o seu coração, na Terra. Você a devolve para Deus, em oração, dizendo: Pai, eu Te louvo, porque nenhuma arma forjada contra mim prosperará. Tu farás que sejam derrotados na minha presença os inimigos que se levantam contra mim; por um caminho saíram contra mim, mas por sete caminhos fugirão da minha presença (Deuteronômio 28:7). Tu és meu escudo e proteção em todas essas perseguições que vieram contra mim, pois, em Cristo, sou mais do que vencedor. Aleluia!
A Palavra produziu seu efeito em você, antes que fosse devolvida ao Pai, em forma de oração e fé. Temos que estar de acordo com ela. As orações da Bíblia começam firmadas na promessa, exaltando os atributos de Deus revelados, Seus feitos, Sua Palavra. Invocam-na e tudo quanto falam é em harmonia com ela; nada dizem fora dela, reconhecendo-a como a fonte das orações.
As orações firmadas na Palavra são diretas, objetivas e carregadas de vida e fé. Vejamos alguns exemplos:
A Palavra diz: “Em todas as coisas somos mais do que vencedores” (Romanos 8:37).
Você está no meio da batalha, mas sabe que ela produz exatamente o que diz, pelo que olha para a circunstância, ri na cara dela e proclama: “Eu sou vitorioso em todas as circunstâncias. Pai, Tu me conduzirás em triunfo, porque em todas as coisas, com Cristo, eu sou mais do que vencedor”.
Agindo assim, você está orando a Palavra e devolvendo-a a Deus, carregada de fé, pois “sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que O buscam” (Hebreus 11:6).
Há princípios espirituais que governam nossa vida com Deus. No que concerne à oração, convém salientar a importância de se obedecer aos princípios revelados na Bíblia, para que a nossa vida de oração seja efetiva e frutífera. E, como uma regra de ouro, baseie suas orações na Palavra de Deus. Ele a enalteceu grandemente, como canta Davi: “Prostrar-me-ei para o Teu santo templo, e louvarei o Teu nome, por causa da Tua misericórdia e da Tua verdade, pois magnificaste acima de tudo o Teu nome e a Tua Palavra” (Salmo 138:2)
Deus Se revela em Sua Palavra. Ela é a expressão dEle mesmo, a manifestação de Sua Pessoa. A integridade do próprio Deus, nela se manifesta. Deus e Sua Palavra se confundem. Atrás de cada vocábulo registrado em tinta e papel, se esconde uma Pessoa que nos fala e Se nos revela. O Apóstolo João declara:
“No princípio [antes de todos os tempos] era a Palavra (Cristo), e a Palavra estava com Deus e a Palavra era o próprio Deus. Ela estava presente originalmente com Deus. Todas as coisas foram feitas e vieram a existir através dEla; e sem Ela nada do que veio a existir se fez” (João 1:1-3 – Amp.).
É por esta razão que a Palavra traz o respaldo do caráter de Deus e do Seu Trono. Nós a elevamos em oração, e Ele se vê a Si mesmo nela brotando dos nossos lábios, e Se inclina para nos ouvir. Todo nosso relacionamento com Deus deve estar solidamente firmado em Sua Palavra. Sempre que nos aproximamos dEle, tendo-a como base, trazendo no coração e nos lábios o que Ele falou, Seus ouvidos estarão ali; Ele estará presente; pois Deus está onde Sua Palavra se encontra.
Começamos lendo a Bíblia, mas se o fizermos com a atitude certa e a reverência que lhe é devida, de repente encontrar-nos-emos face a face com Seu próprio Autor, em profunda adoração, fé, quebrantamento e comunhão com Ele. Veremos além da letra; transporemos as páginas do Livro e comungaremos com Quem por detrás dele se encontra – Deus mesmo.
Note uma coisa: Se você vai orar a Palavra de Deus, e ela é digna de confiança, estará pisando em terreno firme. Enquanto você andar neste terreno terá sucesso. Mas na hora em que sair da Palavra, já terá entrado em terreno escorregadio, estará fadado a fracassar. Confie, portanto, na integridade da Palavra de Deus e deixe que ela seja sua plataforma de oração. Firme-se sobre ela e recuse-se a sair dela. Discipline sua mente e permita que dos seus lábios brotem apenas palavras em linha com aquilo que Deus falou. Sua Palavra deve ser para nós a fonte de todas as nossas orações. 

COMO USAR AS ORAÇÕES DESTE LIVRO

Encontram-se aqui algumas orações inteiramente baseadas em textos bíblicos, seguindo as orientações mais adiante expostas. Elas servirão de modelo para que você mesmo tome a Palavra colocada em seu coração pelo Espírito Santo e a ore. Tome cada oração e repita-a até que as verdades nela contidas sejam incorporadas à sua vida. Sugerimos alguns passos:

1. Alimente seu espírito com estas orações.

Permita que o Espírito Santo torne a Palavra uma realidade em seu próprio coração, e você começará a pensar em linha com o Filho de Deus e a falar como Ele fala. Você se verá debruçado sobre a Palavra, como fome e sede de mais e mais.

2. Medite nos versículos alistados com as orações.

No fim de cada oração está uma lista de referências bíblicas. Elas são a base daquela oração. Não são todos os textos sobre o assunto, mas são um começo. Você poderá ampliar cada oração, incorporando novos versículos que descobrirá em sua leitura da Bíblia. O importante é iniciar um treinamento da mente e orar de acordo com os princípios da Palavra de Deus.
Use estas orações como guia e auxílio para você orar em linha e harmonia com a Palavra de Deus, pois a oração respondida é aquela que está de acordo com a vontade de Deus expressa em Sua Palavra.
Em se tratando da própria Palavra, faça a mesma oração muitas vezes, até que a realidade dos princípios e promessas nela apresentados sejam assimilados e vivificados pelo Espírito Santo em sua mente e espírito.

3. Fale em linha com a Palavra escrita.

Uma vez que você começa a orar a Palavra de Deus, comprometa-se a orientar sua conversa de maneira correta. A fé tem sempre um bom relatório. Você não pode orar por um assunto, com base na Palavra, e depois falar negativamente sobre o mesmo.
A advertência de Jesus é muito séria: “Raça de víboras, como podeis falar coisas boas sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração. O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado”. (Mateus 12:34-37)

4. Deixe que as palavras em Efésios 4:29,30 mergulhem fundo em seu ser:

“Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e, sim, unicamente a que for boa para a edificação, conforme a necessidade, e assim transmita graça aos que ouvem. E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção”.
Não dê a Satanás qualquer oportunidade, enveredando-se pelo caminho da preocupação, falta de perdão, contendas e criticismo. Ponha fim à conversação ociosa e tola. “Não deis lugar ao diabo! (Efésios 4:27) é imperativo!
“Já que vocês são povo de Deus, não está certo que a imoralidade, a indecência ou a avareza sejam nem mesmo assuntos de conversa entre vocês. Ao usem palavras indecentes nem digam coisas tolas ou sujas, pois isso não convém a vocês. Ao contrário, digam palavras de gratidão a Deus (Efésios 5:3,4 – TLH).

5. Fale a resposta e não fale o problema.

A resposta está na Palavra de Deus e as orações contidas neste livro seguem este princípio. Antes que Abraão houvesse gerado Isaque, Deus mudou-lhe o nome, chamando-o “Pai de nações” (Abraão). “Como está escrito, constituí-te como pai de muitas nações. [Ele foi apontado nosso pai] à vista de Deus em Quem ele creu, Aquele que vivifica os mortos e fala de coisas não existentes que [Ele predisse e prometeu] como se elas [já] existissem.
[Gênesis 17:5] (Romanos 4:17 – Amp.).
O mesmo nós fazemos. Não negamos a realidade da circunstância, mas falamos a promessa em confiança, sabendo que mais cedo ou mais tarde ela alterará essa circunstância, como aconteceu com Abraão; ele declarou ser pai de nações, quando Sara ainda era estéril, mas a Palavra, que é espírito e vida, entrou em seu útero e fê-lo procriar. Assim será conosco: enquanto falarmos a Palavra e confessarmos a promessa, ela produzirá vida na área em que está sendo usada, e o problema será substituído pela bênção.

6. Creia que você recebe quando pede.

Confesse em fé a Palavra. Retenha firme a sua confissão de fé na Palavra de Deus. Deixe que seu espírito, pelo Espírito Santo ore. Louve a Deus pela vitória agora, antes de qualquer manifestação. Isto é evidência de que você crê  na resposta. Ande por fé e não por vista.

7. Não seja movido por circunstâncias adversas.

Quando Satanás ousar desafiá-lo, resista-o firme na fé, deixando que a paciência tenha sua obra (Tiago 1:4).
Tome a espada do Espírito e o escudo da fé e apague cada uma das suas setas inflamadas (Efésios 6:16).
Toda a obra substituta de Jesus foi por você. Satanás é agora um inimigo derrotado porque Jesus o venceu (Colossenses 2:14,15). Ele é vencido pelo sangue do Cordeiro e a palavra do nosso testemunho (Apocalipse 12:11).
Avance, pois, e combata o bom combate da fé (1 Timóteo 6:12). Resista o adversário e fique firme na fé contra suas ciladas. Faça-o com determinação e firmeza (1 Pedro 5:9).
Fale a Palavra de Deus ousada e corajosamente. A espada do Espírito deve estar em nossa boca (Hebreus 4:12; Apocalipse 1:16).
Seu desejo deve ser sempre agradar e bendizer ao Pai. À medida que você ora em linha com a Palavra, Ele alegremente o ouvirá. Seu filho está vivendo e andando na verdade (3 João 4).
Quão maravilhoso é saber que as orações dos santos permanecem para sempre diante do Trono. Aleluia! (Apocalipse 5:8). Louvado seja Deus pela sua Palavra e pelo Nome de Jesus como base das nossas orações. A Palavra e o Nome pertencem a cada filho de Deus. “Corramos, portanto, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para Jesus, Autor e Consumador da Fé” (Hebreus 12:1,2).
A Palavra de Deus é capaz de edificá-lo e dar-lhe herança entre todos os que são santificados (Atos 20:32).

PREPARE-SE PARA ORAR

Se for possível, estabeleça um horário e um lugar fixo para seu período de oração. Isto ajuda a formar o hábito. Mais vale um pequeno período sistemático, perseverante, constante, do que um longo tempo de vez em quando.
A melhor forma de preparo espiritual para a sua oração é a comunhão com Deus, através da Sua Palavra. Todo período de oração e intercessão deve ser precedido por este exercício. Neste tempo de comunhão com Deus, Sua presença traz uma liberdade, uma paz e uma intimidade muito profundas. Até mesmo o tempo de espera em Sua presença, numa atitude de adoração reverente, resulta na libertação do nosso espírito para entrar na batalha da intercessão.
Medite nos textos a seguir. Personalize-os e deixe que O Espírito Santo ministre ao seu coração através deles:
1 Coríntios 1:9: “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor”. Comunhão (Koinonia, no grego) significa compartilhar, ter tudo em comum.
1 Coríntios 2:9-12: “mas, como está escrito: Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou no coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que o amam. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito que nele está? Assim também as coisas de Deus ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e, sim, o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente”.
À medida que você começa a meditar nestas passagens, ore e adore a Deus em espírito. Louve a Deus pelo Seu chamado para que você comungue com Ele e deixe que o Espírito Santo revele as coisas profundas de Deus ao seu coração. Desenvolvendo uma consciência da presença de Deus, sua atitude de oração, como um modo de vida, será também desenvolvida.
Hebreus 13:15: “Por meio de Jesus, pois, ofereçamos a Deus, sempre, sacrifício de louvor, que é o fruto de lábios que confessam o seu nome”.
Ministre ao Senhor com Salmos. Faça seus próprios Salmos. À medida que você se desenvolve na adoração, cante os Salmos ao Senhor ou fale-os em voz alta (I Co 14:15). Use porções da Bíblia que falam dos atributos de Deus, e outras expressões de Louvor e Adoração brotarão do seu espírito também. Pode ler Salmos e sublinhar expressões de louvor, de adoração, as que falam do que Deus é, do que Deus faz, etc.
Use uma cor para cada assunto e comece a orar aquelas palavras. À medida que você ora estas expressões, o Espírito fará brotar outras, quer em sentimentos, risos, lágrimas, palavras ou cânticos. Ele é mestre e guia para nós. Flua com Ele, enquanto se exercita no oferecimento de sacrifícios de louvor e adoração.
Colossenses 3:16: “Habite ricamente em vós a Palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos e hinos e cânticos espirituais, com gratidão, em vossos corações”.
I Pedro 3:12 a: “Porque os olhos de Yahweh repousam sobre os justos e os que ouvidos estão abertos às suas súplicas”.

CAPÍTULO 1

PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O ORAR A PALAVRA

Antes que se possa desenvolver o hábito de fazer orações baseadas na Palavra de Deus registrada nas Sagradas Escrituras, convém colocar diante de nós alguns princípios norteados, ainda que de forma breve.

CONHEÇA A VONTADE DE DEUS PELA PALAVRA

Sabemos que Deus ouve as orações dos Seus filhos. Mas estas devem estar em linha com a Sua vontade. A Bíblia garante: “E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que já alcançamos as coisas que lhe temos pedido” (1 João 5:14,15).
Como conhecer o que está na mente de Deus e saber Sua vontade? Na Sua própria Palavra. A maioria das coisas que Ele quer fazer em nossa vida já está nela revelada. Mesmo as que não estão claras, ajustam-se aos Seus princípios.
Conhecendo a Palavra de Deus, saberemos discernir Sua vontade, e, orando-a, estaremos em linha com Seu propósito revelado, pelo que podemos ter a confiança de que Ele já nos respondeu antes mesmo de ver sua materialização. Paulo nos exorta: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2).
Como a mente é renovada? Com a Palavra. Enquanto ela se expõe aos seus princípios, vai sendo transformada e descobrindo o que agrada a Deus, isto é, Sua vontade. Em conseqüência, as orações serão em linha com o que Ele deseja, e o resultado será uma resposta positiva.

COMECE A ORAÇÃO COM A RESPOSTA

Quem ora a Palavra já começa com a resposta. Note, por exemplo, a oração de Davi no Salmo 23. Ele não suplica: “Deus, supre minhas necessidades. Preciso tanto de Ti! Estou cansado, com forme; leva-me a um lugar onde possa ser saciado. Livra-me da morte. Fica comigo. Toma conta dos meus inimigos”. Não! Davi ora a Palavra de Deus, ora a resposta: “Yahweh, Tu és o meu Pastor; nada me faltará”.
Você é convidado a fazer o que Davi fez. Ore a Palavra e veja Deus agindo em sua vida. Não fique ai choramingando tempo todo. Abra a boca e ouse confessar diante de Deus aquilo que Ele já falou. Revele que você crê que tudo quanto Ele lhe prometeu é seu. É assim que devolvemos a Palavra de Deus para Ele mesmo. É assim que ela não volta vazia.
Todas as grandes realizações na vida dos servos de Deus foram resultado da fé no que da Sua parte foi escrito. A verdadeira oração é tomar a Palavra de Deus e levá-la ao Trono, deixando que aquilo que Ele falou seja proferido pelos nossos lábios diante dEle, chamando Sua atenção para as promessas que Ele mesmo fez. Exemplo:
Sobre os teus muros pus atalaias, ó Jerusalém, que jamais se calarão de dia ou de noite; vós que [sois Seus servos e pelas vossas orações] fazeis lembrado o Senhor [de Suas promessas], não guardeis silêncio, e não deis a Ele descanso até que Ele estabeleça Jerusalém e a torne um louvor na terra (Isaías 62:6,7 – Amp.).

MUDE A LINGUAGEM DA ORAÇÃO

É imperioso reformular nossos hábitos de oração e mudar nossa linguagem. Orar a Palavra é um hábito que deve ser incorporado à nossa vida. A maioria das palavras de muitas orações brota de frustrações, conceitos errados sobre Deus, incredulidade e dúvida, razão porque nada acontece. Se quisermos ver Deus agindo, leiamos a Palavra, comamo-la, façamos dela nossa fonte de meditação e de conversa; em suma, vivamos a Palavra e baseemos nela nossas orações, pois a única coisa que Deus confirma é a Sua Palavra.
Nossa fé é baseada em Deus e Sua Palavra, pois a fé é tomar por verdadeira a Palavra de Deus. A fé crescerá na proporção do nosso conhecimento, pois como exercer a fé naquilo que não se conhece? Não podemos crer numa promessa desconhecida. O que nos leva à ousadia da fé é o conhecimento da promessa. Se Deus disse que alguma coisa é nossa, então assim é. O que temos de fazer é crer e tomar posse do que já é nosso. Se Deus nos prometeu uma bênção, é porque no-la quer dar.
Há algo de extraordinário que acontece dentro de nós e à nossa volta quando nos colocamos diante do Pai, trazendo nos lábios Suas promessas. Sua presença e poder são liberados em nossa vida e circunstância, o coração é inundado de gratidão e louvor, e a fé conhece novas dimensões. Há como que um romper de cadeias dentro de nós, e somos introduzidos numa atmosfera de liberdade, confiança e pez com Deus. Por isso Isaías declara: “Mas eis para quem olharei: para o humilde e contrito de espírito, que teme da minha Palavra” (Isaías 66:2b)
Diante de tudo isto, dediquemo-nos à oração e oremos corretamente, aproximando-nos do Trono com o coração e a boca cheios da Palavra de Deus, sabendo que sem a Palavra, não haverá fundamento para a oração.

FAÇA DA PALAVRA O VEÍCULO DA SUA ORAÇÃO

A Palavra de Deus é o veículo do nosso contato com Ele. Hebreus 4:12 declara que ela é algo vivo e Jesus diz em João 6:63, que Suas Palavras, “são espírito e vida”. Logo, somos convidados a trazer a Palavra Viva, expressão de Deus mesmo, em nossa boca, carregada de fé no coração, pelo que nossas orações se tornam uma confissão de fé, que agrada a Deus (Hebreus 11:6).
A oração baseada na Palavra vai além das bitolas da nossa mente ou conhecimento limitado dos nossos próprios sentidos ou sentimentos; contata o seu Autor e põe Suas leis espirituais em operação. Mas não é o simples proferir de orações mecânicas que traz resultados, ainda que baseadas na Bíblia. É sim o mergulho em Sua presença e Seu amor, através da Sua Palavra, pelo mover do Seu Espírito. E isso ocorre quando nos colocamos diante do Pai em perfeita harmonia com ela, que é a expressão de uma pessoa – JESUS, e o Espírito em nós.

CONSIDERE A IMPORTÂNCIA DA PALAVRA NA ORAÇÃO

A Bíblia, dentre tantas coisas que representa para nós, é o nosso Manual de Oração. Ela é fonte de autoridade, poder, alegria, conforto, salvação, libertação, cura, restauração, purificação, crescimento, fé, segurança, vitória, paz, vida e toda sorte de bênção e deve ser igualmente, a fonte das nossas orações. Ela é eterna!
“Para sempre, ó Yahweh, está firmada a Tua Palavra no Céu” (Salmo 119:89).
“Seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a Palavra de nosso Deus permanece eternamente” (Isaías 40:8).
“Passará o Céu e a Terra, mas as minhas Palavras jamais passarão” (Mateus 24:35).
A Bíblia é fonte de alimento, como declara o profeta: “Achadas as Tuas Palavras, logo as comi; As Tuas Palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo Teu nome sou chamado, ó Yahweh, Deus dos Exércitos” (Jeremias 15:16)
“Quão doces são as Tuas Palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca” (Salmo 119:103).
“Não me apartei dos mandamentos dos Teus lábios; tenho estimado e entesourado as palavras da Tua boca mais do que o alimento necessário” (Jó 23:12 – Amp.).
“Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca de Yahweh, disso viverá o homem” (Deuteronômio 8:3).
A Palavra deve estar sempre em nossa boca e em nosso coração: “Com os lábios tenho narrado todos os juízos da Tua boca” (Salmo 119:13).
“Estas Palavras que hoje te ordeno, estarão no teu coração” (Deuteronômio 6:6).
“Ponde, pois, estas minhas Palavras no vosso coração e na vossa alma; atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontal entre os vossos olhos” (Deuteronômio 11:18).
“A Palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a Palavra da fé que pregamos” (Romanos 10:8)
“Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz Yahweh. Na mente lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo” (Jeremias 31:33).
“No seu coração tem ele a lei do seu Deus; os seus passos não vacilarão (Salmo 37:31).
“Agrada-me, Yahweh, fazer a Tua vontade, ó Deus meu; dentro em meu coração está a Tua lei” (Salmo 40:8)
A Palavra traz luz aos nossos caminhos: “Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra, e luz para os meus caminhos” (Salmo 119:105).
“A revelação das Tuas Palavras esclarece, e dá entendimento aos simples” (Salmo 119:130).
“Porque o mandamento é lâmpada e a instrução luz, e as repreensões da disciplina são caminho da vida” (Provérbios 6:23).
“Temos assim tanto mais confirmada a Palavra profética, e fazeis bem em atendê-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, até que o dia clareie e a Estrela da Manhã nasça em vossos corações” (2 Pedro 1:19). 

CAPÍTULO 2

O USO DA BÍBLIA COMO A BASE DAS ORAÇÕES

Existem muitas formas de se usar a Bíblia. Ela difere de todos os livros que conhecemos, por ser a revelação de Deus para o homem. Através dela conhecemos o Criador e temos nela o guia dos princípios de vida pelos quais devemos ordenar nossos caminhos. Está cheia de promessas, mandamentos e diretrizes, e tem como autor o próprio Deus, na pessoa o Espírito Santo, como está escrito:
“Porque nunca qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens santos falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo” (2 Pedro 1:21). “Toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para o ensino, para a repreensão, para correção, para educação na justiça” (2 Timóteo 3:16).
Dentre as muitas maneiras de aproximação da Bíblia e de seu uso, destacaremos sete:
Primeiro, LENDO-A, tomando conhecimento do que ela diz. Deus nos ordena por boca do profeta Isaías: “Buscai no livro do Senhor, e lede” (Isaías 34:16). E esta leitura deverá ser repetida:
“E o terá contigo, e nele lerá todos os dias da sua vida, para que aprenda a temer a Yahweh seu Deus, a fim de guardar todas as palavras desta lei, e estes estatutos para os cumprir” (Deuteronômio 17:19).
Um programa de leitura da Bíblia deve ser estabelecido por nós. Terminada uma leitura, começamos outra. Quanto mais vezes a lemos, tanto mais fácil será entendê-la.
Em segundo lugar, ESTUDANDO-A, assimilando seus princípios, mandamentos e promessas. Isto envolve mais do que ler. Precisa-se de caneta e papel para tomar nota, esboçar, buscando fixar o ensino. Paulo recomenda:
“Estuda e sê zeloso e faz o teu máximo para apresentar-te a Deus aprovado (testado pela prova), um trabalhador que não tem motivo para se envergonhar, analisando corretamente e dividindo de modo exato [manuseando direito e ensinando com habilidade] a Palavra da Verdade” (2 Timóteo 2:15 – Amp.).
Em terceiro lugar, MEDITANDO-A, deixando que suas verdades sejam aplicadas às diversas áreas da nossa vida. Meditar é “ruminar”. Um animal que rumina, come o alimento e mais tarde regurgita-o, isto é, o traz de volta à boca e o mastiga vagarosamente, extraindo dele todos os nutrientes.
Meditar é a mesma coisa. Primeiro lemos a Palavra, estudamo-la e podemos até decorá-la. Mas então vamos mais além e começamos a “mastigar” a Palavra, pensando, refletindo, assimilando-a, aplicando-a a nossa vida, transformando-a em nossa oração. Há vinte referências diretas na Bíblia à meditação, sem falar dos seus sinônimos. Logicamente quem medita primeiro leu ou ouviu.
“Não cesses de falar deste livro da Lei: antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo a tudo quanto nele está escrito; então farás prosperar o teu caminho e serás bem sucedido” (Josué 1:8).
“Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios. Antes o seu prazer está na Lei de Yahweh, e na Sua lei medita dia e noite” (Salmo 1:1,2).
“As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na Tua presença, áveis na Tua presença, Yahweh, rocha minha e redentor meu”! (Salmo 19:14) (Ver Salmos 63:6; 77:12; 119:15, 23, 48, 78, 97; Salmo 148).
O quarto modo de usar a Bíblia é a MEMORIZAÇÃO, permitindo que ela seja o material para nossa estrutura de pensamento e raciocínio e venha em nosso auxílio, prontamente, no momento da necessidade. O mandamento é claro:
“Estas Palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa e andando pelo caminho, e ao deitar-te e ao levantar-te” (Deuteronômio 6:6,7).
Ora, pra que a Palavra esteja na boca, primeiro tem que entrar na mente. Só sai da boca o que foi assimilado, estudado, decorado.
A quinta forma é usá-la como ARMA contra todas as mentiras e insinuações do diabo em nossa mente. As fortalezas inimigas, referidas por Paulo em 2 Coríntios 10, são construídas na mente a partir de pensamentos, raciocínios, conceitos e imagens, todos falsos e mentirosos. Tendo a Palavra na mente e no coração, haverá como demolir as fortalezas. “...escrito está”, foi a arma usada por Jesus e o será igualmente por nós, sabendo que a Palavra de Deus é a Espada do Espírito (Efésios 6:17).
O sexto uso da Bíblia é a CONFISSÃO. Confessar a Palavra com os lábios como verdade absoluta em todas as circunstâncias. “Pois esta Palavra está mui perto de ti, na tua boca e no teu coração, para a cumprires” (Deuteronômio 30:14).
Confessar a Palavra é proferi-la como uma convicção do nosso espírito. O que creio no coração, isto confesso. “Ora, temos o mesmo espírito de fé, conforme está escrito: Cri, por isso falei; também nós cremos, por isso também falamos” (2 Coríntios 4:13). Ao fazê-lo, há um poder de vida que é liberado.
A Palavra de Deus é uma semente. Quando é confessada é como se fosse plantada. Confessá-la repetidamente é como regá-la. Ora, sementes plantadas e regadas terminam germinando. Portanto, “retenhamos firmes a nossa confissão” (Hebreus 4:14). (Ver Romanos 10:9; 10:10; Filipenses 2:11; Mateus 10:32; Lucas 12:8).
A sétima forma de aproximação e uso da bendita Palavra de Yahweh é tomá-la como BASE DE TODAS AS NOSSAS ORAÇÕES ao Pai, deixando que ela seja o veículo da nossa comunicação verbal com Ele. Podemos ler toda a Bíblia transformando-a em oração, enquanto nos deixamos ser confrontados por ela e a palavra específica que está sendo objeto da nossa oração produzirá seu efeito em nós.
Toda nossa conversa com o Pai pode ser baseada na Palavra escrita. É isto que chamamos “Orar a Palavra”. Todas as orações que você encontrará neste livro seguem este padrão.

COMO BASEAR AS ORAÇÕES NA PALAVRA DE DEUS

1. Defina a área que motiva sua busca de Deus.
Qual o tipo de oração que você precisa fazer? Ações de graça, louvor, adoração, petição, entrega, consagração, intercessão? E dentro do tipo de oração, qual o assunto específico? (Para melhor compreensão deste assunto leia o livro Tipos de Oração da mesma autoria).
2. Procure descobrir versículos que se apliquem à área da necessidade.
Isto pode ser feito usando-se uma Concordância Bíblica para selecionar os textos adequados. Se você tem o costume de ler a Bíblia marcando os textos em diferentes cores para diferentes assuntos, isto facilitará muito a seleção. Na sua própria leitura regular, há passagens que podem ser selecionadas e transformadas em sua oração ou confissão.
3. Tome os textos que mais falam ao seu coração e transcreva-os.
Peça ao Espírito Santo para dirigi-lo nesta seleção e para que torne cada palavra viva em seu espírito.
4. Faça as adaptações gramaticais necessárias personalizando os textos bíblicos, usando a primeira pessoa e colocando os verbos no presente.
Tomemos por exemplo, Filipenses 4:19: “E o meu Deus, segundo a Sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus cada uma de vossas necessidades”.
Você poderá orar assim: “Pai, Tu és o meu Deus, meu provedor. És rico e, de acordo com Tua riqueza em glória, supres, em Cristo, meu Senhor, todas as minhas necessidades”.
5. Amplie o texto, usando outras verdades relacionadas ao assunto e, tanto quanto possível, adapte-o a uma conversa pessoal com o Pai.
Tomando o mesmo texto de Filipenses 4:19: “Senhor, Tu és o meu Deus, meu Yahweh Jiré, o Deus da minha provisão. Por isso, de nada tenho falta. Tudo Te pertence e eu sou Teu filho. De acordo com Tua riqueza em glória, não de acordo com minha pobreza, Tu supres cada uma das minhas necessidades. Tu me deste Jesus. Pela fé nEle tornei-me teu filho, e tudo o que é Teu é meu. Porque estou em Cristo, tenho direito à Tua provisão. Graças Te dou, ó Pai, por Tua suficiente provisão, em Cristo, meu Senhor”!
6. Repita os versículos em forma de oração, até que se tornem a mais profunda convicção do seu ser, sejam vivificados e carregados de fé em seu espírito e se tornem sua experiência.
Repita-os até memorizá-los, usando-os sempre que se fizer necessário. Trazer a Palavra no coração e na boca é viver em comunhão com Deus mesmo, de Quem ela brota.
7. Proclame estes textos em voz alta, com ousadia e fé, crendo que a Palavra de Deus é digna de confiança e produzirá seus frutos sazonados no seu devido tempo, mudando sua circunstância e ajustando-a à realidade da promessa de Deus.
8. Deixe o coração encher-se de ações de graça e louvor, enquanto faz estas confissões ou proclamações, sabendo que a Palavra orada, confessada, decretada ou proclamada é de Deus mesmo, pelo que é martelo, fogo, espelho, pão, água, alimento, arma, poder, espírito e vida. Ela é viva e eficaz e, tão certo como vive Yahweh, que “vela pela Sua Palavra para a cumprir”, ela produzirá em sua vida aquilo para o que foi enviada.


Graça e paz,
Pra. Angela Caldas.